Postagens

Vazio

As vezes eu paro diante do papel com a caneta na mão, ou de frente pro notebook com o notepad aberto, e tento colocar pra fora as coisas que tem se amontado na minha cabeça. Separar em listas, escrever de alguma forma algo que faça sentido, mas eu sempre fico ali parado, olhando pro branco vazio das páginas e isso me mata por horas. Eu não sei se é esse vazio nelas que me fascina ou se é o vazio em mim que me prende tanto ali. Eu sinto como se fosse explodir com todos esses pensamentos que passam o tempo todo pela minha cabeça e ainda assim, quando tento tocar neles, eles simplesmente desaparecem, como se nada realmente existisse. É bastante frustrante ter uma mente tão barulhenta e não ser capaz de expressar isso de nenhuma forma que me satisfaça. Eu tenho perdido bastante tempo praticamente perdido no nada, olhando pro vazio no mundo, aquele vazio que existe entre as pessoas, entre os objetos e entre todas as outras coisas. Aqueles pequenos espaços de nada que na maioria das vezes …

Fragmentos de um dia de verão (que jamais aconteceu)

Ele sempre soube escolher cuidadosamente quais palavras usar, detestava quando as pessoas não o compreendiam.
Respirou fundo e buscou algo que pudesse explicar o que estava sentindo, mas
não conseguiu pensar em nada dessa vez. Respirou fundo novamente e olhou
apreensivo para os galhos das árvores, havia uma pequena brisa passando
por eles, daquelas que trazem as lembranças mais nostálgicas. E por um
momento ele sentiu como se ela estivesse soprando dentro de sua alma,
elevando seu corpo, sentia-se fluindo pelo ar como se também fizesse
parte do vento. Olhou para a garota e tentou novamente as palavras. Nada.
Estava assustado com a sensação de que, de repente, nenhuma palavra parecia
ser boa o bastante pra expressar o que queria. Ele olhou em direção as nuvens,
estavam se formando sobre o horizonte e se mesclando com o azul do céu enquanto
criavam formas como castelos de algodão, pensou sobre as histórias de
fantasia e reinos distantes, caveleiros, princesas e de como sempre
detestou o…

Clichê

Nós usamos frases de efeito tão estúpidas só pra desenvolver o clichê desconfortante que é se interessar por alguém que não quer nada com a gente, aliás, isso parece ser senso comum, de tal forma que é até estranho imaginar alguém que nunca tenha se visto numa vida inteira com outra pessoa que nem se quer nota sua presença. O ser humano é muito engraçado nessa parte, essa necessidade por aquilo que não pode ter, 7 bilhões de pessoas no mundo, não existem motivos além da própria vontade pra estar sozinho e ainda assim o interesse se volta pra quem tem o próprio interesse em outra pessoa. Uma grande rede de amores platônicos e desejos despedaçados.O pior é que sem perceber se cai numa busca, as vezes desesperada, pela atenção da pessoa de uma forma que beira a pena.E fechando sem sair do clichê,
“Como a gente fica babaca quando apaixonado”.Nota: A frase no final é um trecho do livro Hell Paris 75016.

Morte em vida

A morte não é apenas um estado físico em que o corpo cessa seu funcionamento. Às vezes você morre um pouco a cada dia, cessando de sentir ou de pensar em coisas que costumavam ser essenciais. Às vezes isso acontece por tanto tempo que tudo cessa. Você continua ali, seu corpo ainda funciona, mas não sobram vontades e tudo o que você faz é continuar existindo de forma passiva. Você não agrega nada a ninguém e nem a si mesmo, esse é um tipo de morte tão terrível quanto a física, porque apesar de não ter mais objetivos, o mundo te cobra da mesma forma, sem parar, até tudo se tornar insuportável. Então você tenta fugir, se isolar num buraco, manter a si mesmo o mais perto de algo considerado como salvo que consiga alcançar. Mas não há paz, quando você já não tem mais nada e mais nada te interessa, quando você consegue finalmente se posicionar longe do todos​, então é a vez da sua mente te cobrar as coisas que você não queria mais pensar sobre. Incessantemente​. Ela te cobra, quase suplican…

Existem mais semelhanças entre o hoje e o ontem do que eu posso suportar

Odeio essa sensação desconfortante de ver a mesma história se desdobrando de novo e de novo bem na minha frente.
O mundo parece um remake desnecessário dele mesmo.
Mudam os personagens, mas a trama é igual.
Eu não consigo ter nem mais surpresas.
É tudo o mesmo.
Que porra de tédio escroto.
Eu preciso de uma história melhor, algo que prenda a atenção. Suspense, romances, essas baboseiras clichês, mas que fazem falta.
Criar expectativas é uma receita clara para a decepção, mas não ter pelo que criá-las tira o sabor da vida.
Existir tem sido uma experiência insossa.
Eu nem mesmo tenho sentido vontade de interferir, talvez seja isso o problema, talvez interferir mude alguma coisa, mas eu já fiz isso antes e quando as cortinas se fecharam, os aplausos foram pelo mesmo final estúpido.
Eu cansei, parece uma maldição ter que rever as mesmas cenas sempre.
Eu cansei.
Mesmo que seja inútil, eu vou lançar os dados outra vez, quem sabe a sorte me dê algo que valha a pena.

Considerações

Passei tempo demais perdendo meu tempo,
Todas as promessas feitas, promessas que nunca imaginei cumprir,
Foram usadas como desculpa, desculpa para seguir em frente
Apenas um meio para se alcançar o objetivo.
Qual objetivo? Eu nunca soube.
Eu nunca amei ninguém, embora tenha me declarado diversas vezes,
Foram sentimentos eternos, mesmo durando poucos instantes,
Sentimentos abafados pelo desejo que consome e solidifica o coração.
Nunca sofri por ninguém e poucas vezes me importei
Não me importei, muito embora não tenha deixado que ninguém fosse esquecido.
Algumas vezes me deixei cair e caí para mostrar que estou vivo
E que estando vivo posso sentir, sentir cada sensação que o mundo me passa.
Mas nunca deixei que vissem dentro de mim, sempre usei máscaras
Máscaras que me faziam mais forte, mesmo estando tão fraco.
E os erros cometidos só serviram para me abrir os olhos,
Pra mostrar que existir não é fácil e minhas escolhas podem destruir conquistas.
Por isso eu vivo o dia como se fosse o ultimo, pra nã…

Uma verdade diferente...

Pessoas como eu nunca mudam, somos os mesmos sempre, um reflexo imperfeito da imagem de nossos antepassados tentando mudar o mundo a nossa maneira. Nascemos, crescemos e morremos na guerra, somos o espírito revolucionário de uma revolução inexistente, fomos julgados por nossos desejos e condenados como pecadores por pessoas como vocês. Vivemos escondendo nossas vontades enquanto os verdadeiros culpados estão governando seu mundo perfeito. Abrimos nossos olhos para a realidade e nos cegamos pela superficialidade que comove seus corações vazios, não nos metemos com nada, ignoramos seus modos de vida e suas idéias fúteis apenas pela certeza de que essa não é nossa era. Somos ditos frios e cruéis quando na verdade somos nós a ter o sentimento genuíno, calamos nossas reivindicações por sermos a minoria e esperamos nosso momento sem deixar rastros de nossas intenções, sem nenhuma pretensão de agradar ou vontade de machucar fazemos nossa história por trás das cortinas que cobrem suas vidas. …