Cerulean Realms

domingo, 19 de abril de 2009

Aqui jaz um anjo

Aqui jaz o cadáver de um anjo,

A forma morta de um ser imortal,

Perdido pela ilusão de um sentimento vazio,

Assassinado por seu próprio coração.

Abandou o paraíso por um sonho humano

Jogado na terra, nascer como um anjo e morrer como um homem

Um desejo o tornou mortal, um desejo o levou à sepultura.

O anjo de outrora se tornou humano e por um breve momento foi feliz

Sorriu, sentiu e sofreu.

Enquanto ela, aquela que fez seus olhos brilharem,

Seus pensamentos correrem, seus lábios a desejarem

Se foi, partiu para algum lugar e simplesmente sumiu

Um adeus e nada mais poderiam ter feito a diferença

Poderia ter posto um fim em tudo.

O anjo viu-se só, sua vida sem sentido, sua existência inutilizada

Então de anjo fez-se demônio e do amor ódio

Entregou-se a luxuria de uma vida vazia,

Destruiu corações, destruiu vidas

Jurou vingança.

Um anjo renegado por amor, um demônio arrependido por existir

Cruzou o mundo atrás daquela que o prendeu neste mundo

Viveu sua vida com prazeres de lugar a lugar,

Conquistando, destruindo e partindo.

Teve seu encontro, aquela que pensou nunca mais ver

E por um breve momento a teve em suas mãos,

Teve sua vida em suas mãos,

Mas por amor a salvou.

Aqui jaz o cadáver de um anjo,

Que viveu por amor e por ódio entre os homens

Aqui jaz o cadáver de um anjo que entregou sua vida,

Que por amor, desistiu de tudo o que um dia desejou.

Um comentário:

Roberta Albano disse...

acho que o amor só machuca tanto porque é o mais difícil de ser controlado
e provavelmente se ele pudesse ser controlado, nao seria tao bom
mas alem disso, ele também pode ser renovado pela mesma pessoa além de todo ódio, ou por pessoas novas

 
Cerulean Realms